ícones métodos de tratamento

VOCÊ CONTROLA

O SEU

ANTICONCEPCIONAL

OU ELE CONTROLA VOCÊ?

Imagem de uma mulher sorrindo com os braços para cima
seta formando um coração
Imagem de uma mulher sorrindo deitada na grama
Escolher um método de longa duração como os DIUs, é ter uma vida com mais liberdade, sem preocupação diária com seu anticoncepcional e com eficácia superior à laqueadura +99%

LIBERDADE

É VIVER UMA VIDA

SEM PREOCUPAÇÕES.

seta menor
Imagem de uma mulher sorrindo com os braços para cima

VOCÊ CONTROLA

O SEU

ANTICONCEPCIONAL

OU ELE CONTROLA VOCÊ?

seta formando um coração

LIBERDADE

É VIVER UMA VIDA

SEM PREOCUPAÇÕES.

Imagem de uma mulher sorrindo deitada na grama
Escolher um método de longa duração como os DIUs, é ter uma vida com mais liberdade, sem preocupação diária com seu anticoncepcional e com eficácia superior à laqueadura +99%
Para te ajudar, entenda a diferença entre os DIUs Arraste e compare

QUEM AVISA
AMIGA É:

Com os métodos contraceptivos de longa duração, como os DIUs, você não precisa se preocupar com a contracepção todos os dias.

Os DIUs garantem eficácia na contracepção e ajudam a reduzir as gestações não planejadas, já que não dependem de nenhuma ação de quem usa.

Conheça todos os métodos
Alt tag

Nada melhor do que um jogo de perguntas para conhecer alguém ou, no seu caso, o seu futuro método contraceptivo.

Chat Métodos contraceptivos

LIBERDADE

É RESPEITAR O SEU CORPO

DE DENTRO PARA FORA.

Comece escolhendo o melhor 
contraceptivo para você.

Seta
ícones métodos de tratamento

DICA BOA,  É DICA COMPARTILHADA:

Os DIUs são cobertos pelos planos de saúde. Algumas prefeituras e UBS também possuem a cobertura dos DIUs hormonais gratuitamente, além do DIU de cobre.

Basta verificar a unidade de saúde da sua região para se informar.

Se precisar de nossa ajuda, encontre um(a) ginecologista no Buscador Médico e marque um horário.

Procure um(a) ginecologista
Alt tag

1. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/0102assistencia1.pdf. Acesso em abr/2024.
2. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/media/k2/attachments/03-CONTRACEPCAO_REVERSIVEL_DE_LONGA_ACAO.pdf. Acesso em abr/2024.
3. Lotke PS. Increasing use of long-acting reversible contraception to decrease unplanned pregnancy. Obstet Gynecol Clin North Am 2015;42(4):557-67.
4. Hatcher RA, Trussell J, Nelson AL, Cates W Jr, Kowal D, Policar MS. Contraceptive technology. 20th rev. ed. New York (NY): Ardent Media;2011.
5. Apter D, Gemzell-Danielsson K, Hauck B, et al. Pharmacokinetics of two low dose levonorgestrel-releasing intrauterine systems and effects on ovulation rate and cervical function: pooled analyses of a phase II and III studies. Fertil Steril. 2014;101(6):16.
6. Basson R. Female sexual response: the role of drugs in the management of sexual dysfunction. Obstet Gynecol. 2001. Aug;98(2):350-3.
7. Braga, GC. Vieira, CS. Contracepção Hormonal e Tromboembolismo. 2013. Disponível em: https://cdn.publisher.gn1.link/rbm.org.br/pdf/v50n1a10.pdf. Acesso em abr/2024
8. Nelson AL. Levonorgestrel-releasing intrauterine system (LNGIUS 12) for prevention of pregnancy for up to five years. Exp Review Clin Pharmacol. 2017;10(8):833-842.
9. Bhattacharya S, Middleton LJ, Tsourapas A, Lee AJ, Champaneria R, Daniels JP, Roberts T, Hilken NH, Barton P, Gray R, Khan KS, Chien P, O’Donovan P, Cooper KG; International Heavy Menstrual Bleeding Individual Patient Data Meta-analysis Collaborative Group., Abbott J, Barrington J, Bhattacharya S, Bongers MY, Brun JL, Busfield R, Clark TJ, Cooper J, Cooper KG, Corson SL, Dickersin K, Dwyer N, Gannon M, Hawe J, Hurskainen R, Meyer WR, O’Connor H, Pinion S, Sambrook AM, Tam WH, van Zon-Rabelink IA, Zupi E. Hysterectomy, endometrial ablation and Mirena for heavy menstrual bleeding: a systematic review of clinical effectiveness and cost-effectiveness analysis. Health Technol Assess. 2011; 15(19):iii-xvi, 1-252. Review.
10. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/images/pec/Mitos_Verdades_WEB.pdf. Acesso em: abr/2024.
11. Mansour D. Copper IUD and LNG IUS compared with tubal occlusion, Contraception. 2007;75:S144-15.
12. Lopez LM, Bernholc A, Zeng Y, et al. Interventions for pain with intrauterine device insertion. Cochrane Database Syst Rev. 2015 Jul 29;(7):CD007373.
13. Hubacher D, Reyes V, Lillo S, et al. Pain from copper intrauterine device insertion: randomized trial of prophylactic ibuprofen. Am J Obstet Gynecol. 2006 Nov;195(5):1272-7.
14. Gouvea Santos AR, Bahamondes MV, Hidalgo MM, et al. Pain at insertion of the levonorgestrel-releasing intrauterine system in nulligravida and parous women with and without cesarean section. Contraception. 2013;88:164-168.
15. Gemzell-Danielsson K, Schellschmidt I, Apter D. A randomized, phase II study describing the efficacy, bleeding profile, and safety of two low-dose levonorgestrel-releasing intrauterine contraceptive systems and Mirena. Fertil Steril 2012;97:616–22.
16. Yela DA, Monteiro IMU, Bahamondes LG, et al. Variação de peso em usuárias de sistema intra-uterino liberador de levonorgestrel, diu t cobre e acetato de medroxiprogesterona no Brasil. Rev Assoc Med Bras 2006; 52(1): 32-6.
17. Andersson K, Oddlind V, Rybo G. Levonorgestrel-releasing and copperreleasing (Nova T) IUDs during five years of use: A randomized comparative trial.Contraceptiopn. 1994;49:56-72.
18. Backman T, Length of use and symptoms associated with premature removal of the levonorgestrel intrauterine system: a nation-wide study of 17,360 users. Brit J Obstet Gynecol. 2000; 107:335-339.
19. Lortscher D, Admani S, Satur N, Eichenfield LF . Hormonal Contraceptives and Acne: A Retrospective Analysis of 2147 Patients. J Drugs Dermatol. 2016 Jun 1;15(6):670-4.
20. Skrzypulec V, Drosdzol A. Evaluation of quality of life and sexual functioning of women using levonorgestrel-releasing intrauterine contraceptive system-Mirena. Coll Antropol. 2008 Dec;32(4):1059-68.
21. Enzlin P, Weyers S, Janssens D, et al. Sexual functioning in Women using Levonorgestrel-releasing Intrauterine Systems as compared to Copper Intrauterine devices. J Sex Med. 2012;9:1065-73.
22. Bastianelli C, Farris M, Benagiano G. Use of the levonorgestrel-releasing intrauterine system, quality of life and sexuality. Experience in an Italian family planning center. Contraception. 2011;84:402-408.
23. Mansour D, Gemzell-Danielsson K, Inki P, Jensen JT. Fertility after discontinuation of contraception: a comprehensive review of the literature. Contraception. 2011;84:465-477.
24. Kaunitz AM, Inki P. The Levonorgestrel-Releasing Intrauterine System in Heavy Menstrual Bleeding. A Benefit-Risk Review. Contraception.2012;86:452-457.
25. Nota da ANS (Agência Nacional de Saúde). Portal gov.br,2021. Disponível em: https://www.gov.br/ans/pt-br/assuntos/noticias/beneficiario/nota-da-ans. Acesso em abr/2024.

Logo Bayer

#LIBERDADEVEMDEDENTRO